História da Enfermagem

Conteúdo atualizado em: 23/01/2022

Este é um espaço da História da Enfermagem que retrata a evolução da profissão de enfermagem no mundo! Traz o conhecimento da Enfermagem e Saúde no contexto e itinerário histórico-social em fotografias, vídeos, filmografia, documentos escritos, biografias, obras raras, aulas, artigos e trabalhos acadêmicos.

Galeria de imagens

Verbetes

caret-down caret-up caret-left caret-right
Associação Brasileira de Enfermagem Seção Rio de Janeiro

Criada em 1946 como Associação Brasileira de Enfermagem Seção Distrito Federal, foi resultado de uma reforma na Associação para criação de seus núcleos. Segundo núcleo da ABEn e primeiro a ser criado no Rio de Janeiro. Na década de 1960 teve a nomenclatura de Seção Guanabara, acompanhando as mudanças geopolíticas, passando à Seção do Rio de Janeiro em 1975. Autora: Teixeira, KRB.

Cerimônia do acender da Lâmpada

Foi implantada no Brasil em 1925 pela Missão Parsons, na formatura da primeira turma da Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, hoje Escola de Enfermagem Anna Nery. Ritual no qual se acende uma lâmpada grega, símbolo da Enfermagem Moderna no mundo. Autora: Peres, MAA.

Cerimônia de Recepção de Toucas

Foi implantada no Brasil pela Missão Parsons na Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública. Nesta cerimônia as estudantes de enfermagem, aprovadas na etapa preliminar do Curso, recebiam a touca branca e a insígnia da escola em forma de broche. Autora: Peres, MAA.

Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina

Foi criado em 1969 por enfermeiras integrantes da Associação Brasileira de Enfermagem – seção Santa Catarina (ABEn/SC) com o objetivo de formar enfermeiras qualificadas, capazes de transformar a realidade da saúde do Estado. Iniciou como Faculdade de Enfermagem anexa a Faculdade de Medicina, tal situação foi modificada por meio da implantação da Reforma Universitária e, em 1970, passou a Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mediante o Decreto n° 76.853/1975, o curso foi reconhecido após avaliação do Conselho Federal de Educação. Em 1976 abriu seu primeiro Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, o Mestrado em Enfermagem e em 1993 o Curso de Doutorado. Autora: Petry, S.

Dia da Enfermeira

Comemorado internacionalmente no dia 12 de maio, comemora o nascimento de Florence Nightingale, precursora da Enfermagem Moderna. Autora: Peres, MAA.

Dia das Bem-Vindas

Comemorado no dia 19 de fevereiro, corresponde a data de abertura do Curso de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, no Rio de Janeiro, em 1923. Autora: Peres, MAA.

Enfermagem Moderna

Fase histórica da enfermagem iniciada a partir da criação do Sistema Nightingale de ensino na Escola de Treinamento do Hospital São Thomas em Londres, 1860. Autora: Peres, MAA.

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem

A Escola Anna Nery Revista de Enfermagem é, desde 1997, um veículo de comunicação científica mantido pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sua missão é publicar manuscritos originais de Enfermagem, do campo da saúde e outras áreas com interfaces nas ciências da Saúde e ciência de Enfermagem. É membro da Rede Iberoamericana de Editoração Cientifica de Enfermagem (RedEDIT). A partir de 2010 é filiada à Associação Brasileira de Editores Científicos – ABEC. Filiou-se ao Committee on Publication Ethics (COPE) em 2016. Autor: Filho, AJA.

Escola de Enfermagem Carlos Chagas

A Escola de Enfermagem Carlos Chagas (EECC), denominação até 1968 da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (EEUFMG), foi criada em 7 de julho de 1933, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais – Brasil, pelo Decreto n° 10.952 do mesmo ano. Funcionou como instituição do Estado de Minas Gerais, até 1950, quando foi federalizada. A EECC foi a primeira escola de enfermagem no Brasil, criada sob o Padrão Anna Nery de ensino de enfermagem. A enfermeira Laís Netto dos Reys, formada na Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, em 1925, foi a organizadora e primeira diretora dessa escola de enfermagem. Autora: Peres, MAA.

Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública

A Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde Pública, denominação até 1926 da Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEAN/UFRJ), foi criada em 1922 na cidade do Rio de Janeiro – Brasil, pelo Decreto n°15.799 de 10 de novembro deste mesmo ano. Sua inauguração ocorreu em 19 de fevereiro de 1923 nas instalações do Hospital Geral da Assistência, tendo como primeira diretora a enfermeira norte-americana Claire Louise Kieninger, que integrava a Missão Técnica para o Desenvolvimento da Enfermagem no Brasil (Missão Parsons). Criada no modelo anglo-americano de enfermagem é a primeira escola a implantar e a difundir o modelo de ensino nightingaleano no Brasil, sendo considerada Escola Oficial Padrão de Enfermagem pelo Decreto n°20.109 de 1931, condição mantida até o ano de 1949. Autora: Peres, MAA.

Escola de Formação de Enfermeiras - Hospital São Thomas

Escola de Enfermeiras, criada no Hospital São Thomas de Londres, em 1860, por Florence Nightingale. Demarca a implantação do Sistema Nightingaleano de ensino e o início da Enfermagem Moderna. Autora: Peres, MAA.

Escola Paulista de Enfermagem

A Escola de Enfermeiras do Hospital São Paulo (HSP), anexa à Escola Paulista de Medicina (EPM), foi fundada em 1939, a fim de preparar profissionais capacitados para trabalhar no HSP. Foi a primeira instituição de ensino de enfermagem em nível superior da cidade de São Paulo. Ao longo do tempo assumiu outras denominações. Escola de Enfermeiras do HSP (1939-1968), Escola Paulista de Enfermagem (1968-1977), Departamento de Enfermagem da EPM (1977-1994), Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo (1994-2009), Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo (2010). Autora: Afonso, SR.

Escola Profissional de Enfermeiras e Enfermeiros

Escola Profissional de Enfermeiras e Enfermeiros, anexa ao Hospício Nacional de Alienados, atualmente, denominada Escola de Enfermagem Alfredo Pinto criada pelo Decreto n. 791, de 27 de setembro de 1890. Em 1921, foi desdobrada em 3 seções: masculina, feminina e mista, e em 1927 criou o Curso de Especialização em Visitadoras Sociais. Em 1942, assumiu o nome atual e em 1969 integra a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Autor: Porto, F.

Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras

A Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras (EPEE) da Assistência a Alienados, denominação até 1921 da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (EEAP/UNIRIO), foi criada em 27 de setembro de 1890 na cidade do Rio Janeiro – Brasil, pelo Decreto n°791 do mesmo ano. Sua criação, no primeiro ano após a Proclamação da República, demarca a transição de um modelo de enfermagem religioso e caritativo de assistência psiquiátrica, para um modelo profissional. Seu primeiro diretor foi o catedrático de psiquiatria João Carlos Teixeira Brandão, seguidor do alienismo francês e responsável pela criação dessa que é primeira escola de enfermagem do Brasil. Autora: Peres, MAA.

Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (ESUFRN)

Tem origens na Escola de Auxiliares de Enfermagem de Natal (EAEN), criada sob a Portaria Ministerial nº 381, de 07 de dezembro de 1955, instituição pioneira no ensino profissional de enfermagem no Rio Grande do Norte/Brasil. Em 1964, foi incorporada à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), filiando-se, em 1996, ao Conselho Nacional de Dirigentes das Escolas Técnicas Vinculadas às Universidades Federais (Condetuf). Passou à condição de órgão suplementar da UFRN, em 1997, com autonomia pedagógica e financeira. Em 1999 passou a denominar-se Escola de Enfermagem de Natal (EEN) da UFRN. No ano de 2015, já com a atual denominação de Escola de Saúde da UFRN (ESUFRN) foi reconhecida como Unidade Acadêmica regulamentada pela Resolução nº 008/15-CONSUNI. Autor: Teodosio, SS.

Guerra do Paraguai

Conflito armado entre o Paraguai e Tríplice Aliança - formado pelo Brasil, Uruguai e Argentina - devido a interesses políticos e econômicos. Durou de 1864 a 1870. Autora: Peres, MAA.

Irmãs de Caridade

Denominação das religiosas pertencentes a Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, servas dos pobres, criada na França, no século XVII, pelo Padre Vicente de Paulo e por Luiza de Marillac. Autora: Peres, MAA.

Guerra da Crimeia

Conflito entre o Império Russo e o Império Otomano (atual Turquia), Grã-Bretanha, França e o Reino da Sardenha. Durou de 1853-1856. Florence Nightingale atuou no hospital de campanha em Scutari na Turquia. Autora: Peres, MAA.

Lady-nurses

Grupo de estudantes da Escola de Treinamento do Hospital São Thomas, formado por mulheres provenientes de famílias abastadas, que custeavam seus estudos e que se destinavam a tarefas de supervisão, ensino e difusão dos princípios nightingaleanos (Almeida; Rocha, 1989, p. 42-43). Autora: Peres, MAA.

Missão Parsons

Denominação usada por pesquisadores à Missão de Cooperação Técnica para o Desenvolvimento da Enfermagem no Brasil (1921-1931), que contou com 32 enfermeiras e foi liderada pela Enfermeira norte-americana Ethel Parsons. Autora: Peres, MAA.

Modelo Anglo-Americano de Enfermagem

Modelo de Ensino de Enfermagem configurado na Escola de Enfermagem Anna Nery, com bases no Modelo Nightingaleano (Inglês) e Norte-Americanos (EUA). Autora: Peres, MAA.

Modelo Padrão Anna Nery (PAN)

Denominação para Enfermeiras diplomadas no Brasil no período entre 1931-1949, quando esteve em vigor o Decreto nº 20.109 de 15 de junho de 1931, assinado pelo Presidente da República, Getúlio Vargas. Autora: Peres, MAA.

Nurses

Grupo de estudantes da Escola de Treinamento do Hospital São Thomas, formado por mulheres de nível sócio-econômico inferior, que eram preparadas para o cuidado direto com o paciente e recebiam o ensino gratuito. Em contrapartida, prestavam serviços no hospital, pelo menos um ano após o curso. (Almeida; Rocha, 1989, p. 42-43). Autora: Peres, MAA.

Reforma Carlos Chagas

Reforma sanitária, liderada pelo médico sanitarista Carlos Chagas, na qual as ações sanitárias voltaram-se para a prevenção de epidemias, o controle de endemias e para a higiene materno-infantil. Para auxiliar na reforma, Carlos Chagas estabeleceu a Missão de Cooperação Técnica para o Desenvolvimento da Enfermagem no Brasil (Missão Parsons). Autora: Peres, MAA.

Semana Brasileira de Enfermagem

Idealizada como Semana da Enfermeira pela então Diretora da Escola de Enfermagem Anna Nery, Laís Netto dos Reys, em 1940, é demarcada pelas datas de nascimento de Florence Nightingale (12 de maio) e de falecimento de Anna Nery (20 de maio). Por solicitação da Associação Brasileira de Enfermagem tornou-se a Semana da Enfermagem, pelo Decreto nº 40.202 de 12/05/1960. Atualmente é denominada Semana Brasileira de Enfermagem, período em que ocorrem comemorações pelo dia da Enfermeira à nível nacional. Realizou a sua 80ª versão no ano de 2019. Autora: Peres, MAA.

Serviço de Enfermeiras de Saúde Pública do Departamento Nacional de Saúde Pública

Serviço criado para a organização das ações da enfermagem de saúde pública no Brasil, durante a Reforma Carlos Chagas. Sua primeira Superintendente foi a Enfermeira Ethel Parsons. Autora: Peres, MAA.

Projeto HOPE

O Projeto HOPE (Health Opportunity for People Everywhere) foi uma iniciativa da política externa do governo norte-americano – em tempos da Guerra Fria, caracterizada pela polarização política, econômica e social entre as potências na luta pela hegemonia mundial – que utilizou o navio-hospital SS HOPE, conhecido popularmente como Navio Esperança, para levar ajuda humanitária, promover ações à saúde e realizar intercâmbio profissional em países em desenvolvimento. De caráter filantrópico, o projeto foi fundado e presidido pelo médico William B. Walsh, responsável por angariar recursos e recrutar profissionais de saúde – médicos, enfermeiras, dentistas, técnicos – de diversas especialidades, para o trabalho voluntário. O navio-hospital ou Navio HOPE realizou cruzeiros de 1960-1973. Atuou na Indonésia e Vietnã do Sul (1960), Peru (1962-63), Equador (1963-64), Guiné (1964-65), Nicarágua (1966), Colômbia (1967), Ceilão (1968-69), Tunísia (1969-70), Índias Ocidentais (1971) e Brasil – em Natal/RN(1972) e Maceió/Al (1973). (Carlos e Padilha, 2018; Costa et al, 2014). Autora: Peres, MAA.

Quem é quem?

Dia da Enfermeira na década de 1920

Celebrando os 90 Anos da ABEn Nacional