Análise de óbitos por síndrome da imunodeficiência adquirida

Rev. RENE; 18 (2), 2017
Publication year: 2017

Objetivo:

analisar o perfil dos óbitos de pessoas com síndrome da imunodeficiência adquirida.

Métodos:

estudo transversal, realizado com 106 prontuários de pessoas que foram a óbito em unidade de terapia intensiva, obtendo-se variáveis sociodemográficas e clínicas. Análise realizada através do teste qui-quadrado de Pearson, teste de Fisher e teste de Mann-Whitney.

Resultados:

maior parte dos pacientes era do sexo masculino (80,2%), na faixa etária de 18 a 39 anos, média de idade de 39,7 anos, 81,6% de cor parda, 60,4% solteiros e 62,5% desempregados. A proporção de pacientes desempregados (p=0,002) e que não faziam uso de terapia antirretroviral (p<0,001) foram os que menos realizavam acompanhamento regular de saúde.

Conclusão:

a maioria dos pacientes do estudo não realizava acompanhamento regular de saúde e não utilizava terapia antirretroviral.(AU)